Sinceramente acredito que além da falta de sensibilidade nesta situação alarmante em que vive a humanidade, a clima de revanchismo também é responsável por tantas mazelas. O processo eleitoral, que deveria servir como balizador e sustentáculo da democracia, serve somente para acirrar ânimos, promover negociatas e corrupção. Muitos dos envolvidos precisam aprender a aceitar a vontade das urnas.

Qualquer palavra ou ação é usada para atacar quem defende posição diferente da nossa. Antes de aprender a vencer, é preciso entender que a vontade da maioria deve ser respeitada, mesmo que, muitas vezes, seja diferente da nossa posição. Nas redes sociais, todos tem opinião para tudo. O Facebook abriu espaço para os gênios. A fonte da informação e a veracidade do que é publicado, não interessa mais, pois o importante é atacar o adversário. Quem tem dificuldade para somar dois mais dois, entende tudo de economia, inclusive internacional. Alguns que leem somente revistas de fofocas sabem tudo da história do país e universal. Quando precisam dobrar uma esquina, confundem a mão direita com a esquerda, mas discutem questões ideológicas, parecendo profundos conhecedores, da trajetória política da esquerda, do centro ou da direita.

O pior é que, até pouco tempo, aqueles que só sabiam discutir quem seria o titular da ponta esquerda ou direita de seu time, agora discutem política. Não é futebol,, é a vida da nação. Não é Gre-Nal. Assim continuamos perdendo de goleada, repetindo vexatórios 7 a 1, em saúde, educação, geração de emprego e renda, segurança. O Brasil está literalmente dividido e não percebemos que hoje, para atacar o adversário, defendemos corruptos. O crime é tipificado, dependendo de que lado está quem comete o delito. Não conseguimos mais avançar, pois estamos presos somente ao debate ideológico. Ainda não descobrimos se o Coronavírus é de esquerda, direta ou faz parte do centrão.

Boatos, falsas acusações e denuncias, estão tornando a mentira prática comum. “Mas foram eles que começaram”... Bela justificativa para mostrar que estamos do lado de falsos líderes e não do verdadeiro Brasil. A possibilidade e a liberdade de expressão, nos permite ver e avaliar aquilo que ocorre na nossa volta. Os grandes líderes, que tem a solução para tudo, não conseguem auxiliar o vizinho, um amigo e, no entanto, sabe como resolver o problema da falta de oxigênio em Manaus. Para piorar sabe somente aquilo que ouviu falar.

Aprendemos a compartilhar as mentiras das redes sociais, mas estamos muito longe de compartilhar a dor daqueles que sofrem com a Covid-19 e tantas outras doenças, como a raiva, o rancor e a ignorância. A verdadeira vitória é quando uma comunidade, um estado e um país vencem uma eleição. Não quando grupos, ou ideologias se instalam no poder. Estamos todos errados e não temos a mínima intenção de acertar e mudar o rumo da nossa história. Queremos provar que estamos certos, os melhores estão do nosso lado. Com tristeza vemos que poucos estão ao lado do Brasil e dos brasileiros.