Tenho um livro comigo e ele é um grande conselheiro. O recebi de presente de um antigo colega de trabalho e inicialmente e de forma equivocada, confesso que desprezei momentaneamente o conteúdo, quando li as primeiras páginas, pensando tratar-se dessas espécies de manuais que te doutrinam e que têm uma receita única de felicidade para todos os seres humanos, como se não fôssemos extremamente complexos e diferentes nos nossos modos de ser, pensar e agir.

Pois bem, há uma parte desse livro que trata da vitória particular diária de cada um de nós. E o interessante é que ele não descreve o que é ser vitorioso, mas te faz refletir sobre o que seja evoluir e sobre caminhos de como chegar lá, porém as estratégias são sempre criadas por nós e são baseadas nos nossos princípios, que jamais podem ser desprezados. E esse é um exercício que acredito ser imprescindível na nossa vida: sabermos quais são os nossos valores e não nos esquivarmos deles.

Assim, da leitura desse capítulo específico, depreendi que estamos nos construindo dia após dia e que nossas dimensões física, espiritual e mental precisam de renovações diárias. A renovação é o princípio e o processo responsável por conseguirmos nos mover de maneira ascendente de crescimento, mudança e melhoria contínua. E o responsável por dirigir esse movimento ascendente seria um dom que é só nosso, exclusivamente humano, a nossa CONSCIÊNCIA.

Esse é o dom que nos permite identificar o desvio dos nossos princípios e que nos leva até eles, quando está em equilíbrio. E esse equilíbrio é difícil de atingir justamente porque nos exige concentração intensa, muita disciplina e uma vida honesta e coerente. Requer pensamentos nobres e uma existência em harmonia com a nossa consciência. Não, realmente não há receita, mas há sim uma espécie de lei que entendo universal e ela se resume na palavra VERDADE.

Possuímos o direito de escolher, por meio da autoconsciência, os propósitos e princípios segundo os quais viveremos. Mas o direito que julgo ser mais importante é o direito à verdade e “não há como flertar com a falsidade sem destruir o nosso direito à verdade”. Quando passamos parte do nosso tempo nos desviando da nossa verdade, sem ouvir a voz da consciência, mais nos afastamos desse processo de renovação, de crescimento diário.

Viver é exercício cotidiano que progressivamente vai nos demandando aprendizado, dedicação e ação. Viver é difícil, não viver é ainda pior. Crescer é difícil, mas ficar parado é muito pior. A verdade muitas vezes é difícil, mas a mentira nunca será melhor. Não espere facilidades da vida, mas saiba escolher a dificuldade pela qual quer passar. A consciência dá dicas, saiba escutar com sabedoria essa pequena grande voz que habita em cada um de nós. Essa é a nossa grande vitória particular diária.